Os cães sabem contar? Sim!

 In Animais de estimação

Se quiser enganar o seu cão, dando-lhe menos guloseimas do que o normal, ele vai perceber 🙂 Este seria o resumo não científico de um estudo recente, desenvolvido por Gregory Berns, neurocientista da Universidade de Emory, que treinou cães para permanecerem imóveis em exames de ressonância magnética, para assim poder estudar as reações dos seus cérebros enquanto estão acordados e enfrentam estímulos diferentes.

No estudo foi comprovado que os cães sabem calcular quantidades, de maneira automática, e fazem-no em zonas do cérebro semelhantes às usadas pelos seres humanos.

O sistema numérico aproximado (ANS, sigla em inglês), a capacidade de estimar rapidamente quantidades, é algo que os humanos desenvolvem numa idade muito precoce.

A evidência neuronal de primatas humanos e não humanos sugere que é no córtex parietal que ocorre a estimulação numérica. E até agora, até este estudo liderado por Berns, não se sabia se outras espécies tinham a mesma capacidade inata para calcular quantidades de modo espontâneo.

11 cães de raças diferentes (Pointer, Labrador, Pitbull, Border Collies, etc.) foram expostos a telas nas quais eram projetados pontos num fundo preto, diferentes quantidades de pontos, enquanto a sua atividade cerebral era medida.

Se os cães, como seres humanos e primatas não humanos, têm uma região cerebral dedicada a representar quantidades, os seus cérebros devem mostrar mais atividade nessa área do cérebro quando a quantidade de pontos é diferente do que quando era constante.

Oito dos 11 cães passaram no teste, embora, curiosamente, as regiões cerebrais ligeiramente diferentes se acendessem em cada cão, provavelmente por serem raças diferentes, explica Berns.

Veja os vídeos, AQUI

Dogs process numerical quantities in similar brain region as humans

Snippet: Dogs undergo fMRI to show off their numbers skills

Recent Posts

Leave a Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Intoxicações em gatos: como acontecem e o que fazer?