O que não deve fazer com o seu cão durante o verão

As altas temperaturas têm consequências nefastas para os seres humanos. E esta situação, que chega a causar a morte em casos graves, não afeta só as pessoas: os animais também sofrem com elas. Aqui ficam alguns conselhos para que os seus animais tenham um verão tranquilo.

cão_com_calor1

Os animais também sofrem com as altas temperaturas e um golpe de calor pode ser fatal. As razões que conduzem a estas situações são fisiológicas. Ao contrário dos seres humanos que possuem glândulas sudoríparas por todo o corpo, os cães e os gatos, por exemplo, têm apenas as suas patas e a boca (com a respiração) para arrefecerem a temperatura corporal. No entanto, os mecanismos que possuem são suficientes para suportar as altas temperaturas, mas não para situações de negligência.

Por isso, aqui ficam alguns situações a evitar:

  1. Não o deixe no carro, nem que seja só por um bocadinho e com a janela aberta. O espaço dentro do carro aquece rapidamente. Um estudo publicado na revista Pediatrics verificou que nos dias em que a temperatura ambiente é de apenas 22 graus Celsius, no interior do veículo é o dobro e pode chegar até aos 47 graus numa hora. Além disso, 80% do aumento da temperatura ocorre nos primeiros 30 minutos e o estudo não apresentou diferença quando se ventilava, baixando um pouco a janela do carro. Os bebés são especialmente vulneráveis a essas situações, porque, tal como os idosos, desidratam com mais facilidade. Os cães só podem ofegar para se refrescar e, além de ficarem cansados, expelem o ar húmido após entrar em contato com as mucosas do trato respiratório, que transforma o carro numa espécie de banho turco. Lembre-se que os cães têm a temperatura corporal mais elevada que a nossa e que pode subir aos 41 graus em muito pouco tempo.
  2. Deixá-lo fechado no terraço ou varanda. Imagine que tinha que passar horas num lugar muito quente onde corre pouco ar, mesmo à sombra. Mesmo se pudesse beber água, mas não sair. Não o deixe ao ar livre sem possibilidade de se resguardar. Normalmente, as casotas são de plástico, não são isoladas e acumulam muito calor. Claro que o cão deve ir para o terraço, mas que tenha a opção de procurar um espaço fresco dentro de casa para se deitar.
  3.  Levá-lo à praia sem chapéu de sol nem água. O seu amigo deve gostar de estar à sombra e de beber água à vontade. Tenha isso em atenção.
  4. Caminhar no asfalto como se fosse inverno. Eles não usam sapatos. O calor acumulando nos pavimentos urbanos, especialmente no alcatrão das estradas, pode causar queimaduras nas almofadinhas das patas.
  5. Correr ou andar de bicicleta com ele. Levá-lo a fazer exercício connosco no verão não é uma boa ideia. Cansaço e calor podem esgotar o seu companheiro de quatro patas.
  6. Levá-lo a correr nas horas do calor. Passear durante as horas de calor pode ser fatal para os cães. Se tem meio de dar a volta ao bairro à sombra é ótimo e suficiente À noite pode levá-lo a correr.
  7. Esquecer-se da água. Pode ter tigelas em vários pontos da casa para que não se esqueça e porque na altura de verão eles precisam de beber mais água do que o habitual.
  8. Cuidado com o ar condicionado. Acontece o mesmo connosco, a climatização provoca-nos resfriados. Por isso, é preciso também ter essa atenção com os nossos peludos, verificar que não se posicionam onde o ar frio é mais potente.

 

Como detectar um golpe de calor

Os primeiros sintomas que podem ser observados num cão acometido por um golpe de calor são:

Respiração forte e rápida e as almofadinhas das patas muito molhadas – é por aqui que cães (e gatos) têm as suas glândulas sudoríparas. Em casos muito graves, podem aparecer hemorragias na pele, nas membranas mucosas, gengivas ou fezes. Se não forem tratadas a tempo, estas situações podem ser fatais para o seu patudo.

Atitude do animal. A forma mais rápida para detectar um golpe de calor é observar o comportamento do animal. Com a insolação, o primeiro sinal detectável está no facto de o cão começar a parar nas sombras e não quer continuar o passeio. Em situações mais graves, começam a andar com a cabeça baixa, não prestam atenção e são incapazes de andar em linha reta.

 

O que fazer

Baixar gradualmente a temperatura do animal. Os sintomas de insolação devem desaparecer quando a temperatura voltar à normalidade, por volta dos 39 graus. No entanto, deve ser diminuída gradualmente, nunca deve dar banho frio ao amigo, mas fazê-lo gradualmente, usando toalhas molhadas sem os envolver completamente e borrifá-los com água.

Os casos mais graves de insolação podem precisar de tratamentos que não podem ser feitos em casa, como a reidratação intravenosa, além de que os sintomas podem ser confundidos com outra doença igualmente preocupante. Por isso, não hesite em procurar ajuda a tempo de salvar a vida ao seu peludo. Estamos 24 horas ao seu dispor, qualquer informação, contacte-nos pelo +351 21 3972 997 ou do geral@veterinario.pt.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *